Tuesday, March 22, 2016

FILME: Batman Unlimited: Monster Mayhem (Batman Sem Limites: Caos Monstruoso)

Nota: 5,5 / 10

Esta é a segunda animação em longa-metragem da linha Batman Unlimited de brinquedos... éé... digo, do novo universo de Batman no mundo das animações. Se me perdoam o sarcasmo anterior, está cada vez mais claro para mim que a intenção primária do pessoal que está trabalhando com as animações desta linha, não é outra a não ser vender brinquedos.

Os personagens são rasos como um pires, não há desenvolvimento algum de ideias e personalidades nas histórias, fórmulas clichês são repetidas à exaustão, falas e diálogos manjados são inseridos no meio da interação entre os personagens, é tudo colorido demais para ser uma bat-produção e criaturas robóticas e brinquedos são privilegiados à exaustão nessas animações. Em relação à Animal Instinct, Monster Mayhem não mudou tanto.

O Flash, no entanto não volta para esta nova história, e desta vez é substituído por um personagem que anda bastante em alta na DC após sua primeira aparição nas animações da editora em Justice League: Doom, o Ciborgue. O personagem já apareceu em diversas outras animações da DC desde então e foi inclusive inserido brevemente na história do filme Batman v Superman: Dawn of Justice, junto com outras inserções de última hora, como o Flash. 

Tem também alguns personagens descartáveis e bastante desconexos reaparecendo por aqui novamente, como a senhora Gladys Windsmere, uma socialite anciã da alta sociedade de Gotham. Quando eu vi ela em Animal Instinct, nem dei muita bola, mas aqui ela reaparece de novo em uma festa. Caramba, quem é essa velha, por acaso? A tia do Bátima? Por que ela fica reaparecendo por aqui se não tem absolutamente função alguma na história? A não ser que ela vá dar o loló para o Coringa, não tem cabimento ficarem repetindo essa figurinha por aqui.

Outra coisa que me incomoda bastante é este excesso de luzes e cores em Gotham... parece que estamos de volta ao universo bizarro e sem-noção do Schumacher. Não tem a classe e a diversão de The Brave and the Bold e está muito longe de ter aparência de qualquer coisa que remeta à Gotham City.

Roger Craig Smith, Troy Baker (dois dubladores que trabalharam juntos anteriormente no game Batman: Arkham Origins), Will Friedle e o resto do elenco de vozes continuam fazendo um trabalho bom, mas isso não salva a animação e os diálogos, que são fracos. O filme consegue ser só um pouco melhor que Animal Instinct, mas isso não quer dizer muita coisa.

A trama envolve os vilões Solomon Grundy, Silver Banshee (vilã das HQs do Superman), Cara de Barro e Espantalho, dessa vez, seguindo ordens do Coringa, que quer se tornar o imperador de Gotham e sequestra um menino hacker gênio chamado Gogo Shoto, que joga um vírus nos equipamentos eletrônicos da cidade fazendo com que tudo volte à idade da pedra, e afetando até o Ciborgue no processo.

Aqui é onde a trama decide ser um pouco mais ambiciosa. Sem os computadores e sem as traquitanas tecnológicas, Batman e sua trupe de superamigos tem que fazer as coisas do jeito antigo. Isso é bacana, não só porque tira essa maldita luminosidade desse mundo high-tech, mas também nos mostra um pouco do Batman dos primeiros anos, que não tinha essa tecnologia toda e tinha que confiar mais em seus instintos e em sua inteligência para vencer. Isso foi uma jogada interessante da animação.

Outra coisa bacana foi o que fizeram com o Ciborgue. Ele é o único personagem androide do universo DC, então eu sempre fiquei imaginando o que seria dele se de repente fosse dominado por um vírus de computador, ou se a força acabasse, e coisas do tipo. Pena que não passou disso, os personagens e suas psiques continuam rasas como um pires. O único momento de mais desenvolvimento de personagem que temos é no combate entre Asa Noturna e o Espantalho, só isso. Não vai muito longe. O Coringa é sempre uma adição divertida e contribui aqui para a diversão extra, especialmente com Troy Baker dublando ele ao estilo Hamill, mas o plano é mirabolante demais, e as traquitanas dão na cara de que a intenção é começar uma franquia de brinquedos para crianças baseada na linha Unlimited.

Sem contar que o roteirista Heath Corson parece tão sem criatividade que acabou repetindo os mesmos padrões do primeiro longa. De novo temos uma sequência de ação no início do longa, de novo o Bruce Wayne e o Oliver Queen se encontram em uma festa, de novo a tia do Bátima reaparece, de novo o vilão principal escapa e de novo os personagens fazem pose de cima de um edifício quando tudo se resolve para se despedirem. Passa a impressão clara que a coisa toda foi desenvolvida a toque de caixa, sem muito trabalho para pensar em nada. Ainda bem que ainda temos a série principal de longas animados da DCUAOM, que sempre nos servem com uma história épica ou acima da média.

E por falar no departamento principal de animação da DC, eis outra qualidade do longa: em alguns aspectos, ele me lembrou do episódio "What Is Reality?" da clássica série Batman TAS, em que o Charada monta um esquema de realidade virtual e aprisiona Gordon e o Batman nele; um episódio muito mais interessante e divertido do que este longa, podem ter certeza. De maneira geral, há uma boa evolução aqui em Monster Mayhem, comparado com Animal Instinct, mas não vão muito longe, e as geringonças que o filme mostra ainda mantém aquela atmosfera sintética e superficial do primeiro longa, que faz mais parecer um gigante comercial de brinquedos do que um filme divertido de fato. Tenta ser algo como The Brave and the Bold, que remete à Era de Prata com tônica modernizada, mas no fim, só mostra que está mesmo vazio de ideias boas. Na boa? Vão atrás de Batman TAS, The Brave and the Bold, e os longas animados da DCUAOM que vocês ganham muito mais!

Batman Unlimited: Monster Mayhem (2015)
Título em português BR: Batman Sem Limites: Caos Monstruoso

Direção: Butch Lukic
Produção: Butch Lukic, Benjamin Melniker, Sam Register, Michael Uslan
Roteiro: Heath Corson (baseado em personagens criados por Bill Finger, Bob Kane e Jerry Robinson)
Trilha sonora: Kevin Riepl

Elenco de vozes originais: Roger Craig Smith, Chris Diamantopoulos, Will Friedle, Yuri Lowenthal, Khary Payton, Richard Epcar, Alastair Duncan, Amanda Troop, Troy Baker, Noel Fisher, Kari Wuhrer, Brian T. Delaney, Fred Tatasciore, Dave B. Mitchell

Outros filmes desta cinessérie:
Batman Unlimited: Mech vs. Mutants (Batman Sem Limites: Mechas vs. Mutantes) (2016)
- Batman Unlimited: Monster Mayhem (Batman Sem Limites: Caos Monstruoso) (2015)
Batman Unlimited: Animal Instincts (Batman Sem Limites: Instintos Animais) (2015)

Trailer:

No comments:

Post a Comment