Wednesday, July 8, 2015

NO CINEMA: Terminator Genisys (O Exterminador do Futuro: Gênesis)

Lembro de, há meses atrás, ouvir dizer que este novo filme da franquia Terminator estava sendo cogitado como um reboot dos filmes originais de James Cameron. Lembro também de ter ficado possesso com isso e até mesmo iniciar campanha para boicotar este filme por causa disso. Achava uma tremenda falta de educação e de respeito com relação a nós, fãs, que acompanhamos toda a saga até aqui, incluindo aí na conta até mesmo o sofrível T3 e o mediano TS. Quem acompanhou o especial sobre os robôs do futuro que escrevi se lembra de como eu tenho um carinho enorme e um grande entusiasmo com os filmes de James Cameron e de como tudo isso acabou ficando estranho e convoluto após o reinício da franquia com T3 lá atrás. Parecia que era impossível para alguém chegar e dar uma continuação a altura dos filmes de Cameron. Cheguei até a desistir de ter esperanças e aceitar que a franquia jamais se recuperaria após os dois últimos filmes. Que bom que este novo filme renovou minhas esperanças.

Eu acabei me rendendo às resenhas antes de ir assistir este novo filme. Queria ter certeza de que não estava a caminho de outra experiência esquecível ou da sacanagem do reboot que falei acima. E, verdade seja dita aqui, este novo filme, assim como os dois últimos, também não chega aos pés dos dois filmes de Cameron, infelizmente, os roteiristas que passam pela franquia continuam dando suas ratas e cometendo seus equívocos, além de deixar a cronologia da saga como um queijo suíço, cheia de furos de continuidade. No entanto, o nível até vem subindo e este Terminator Genisys é prova disso.

E já vou avisando aqui: alguns spoilers terão que ser tratados aqui no meu texto. Nada que todo mundo já não tenha visto pelos trailers, mas se você não chegou a vê-los, melhor assistir o filme antes e depois voltar aqui.

O filme abre com o futuro pós-apocalíptico sendo mostrado para nós. Vemos agora realmente algo de substancial, algo de bacana, das coisas que ficavam apenas sendo faladas pelos personagens nos filmes de Cameron. Pela primeira vez vemos o dispositivo de deslocamento temporal! Puxa vida!! Eu ficava o tempo todo, quando assistia os filmes anteriores tentando imaginar este maldito dispositivo temporal! Como era? Como funcionava? Qual era o tamanho? Qual era a forma? E como era o processo de deslocamento? Claro, muita coisa que eu imaginava se materializou na minha frente, outras coisas não, mas foi uma das coisas mais bacanas deste filme ver finalmente isso funcionando!

Então vemos algumas cenas lá do primeiro filme serem reencenadas para nós, e alguns personagens do segundo reaparecerem, como o T-1000... em pleno 1984! Isso causa uma certa confusão na linha temporal, que já está bagunçada que chega nesta cronologia, mas OK. O filme homenageia os filmes de Cameron, faz referência a uma ou outra cena e de repente, vemos o T-800 velho aparecer.

De repente nada do que conhecíamos existe mais! Pois é... Alan Taylor fez aqui o que J.J. Abrams fez em Star Trek, ou seja, recomeçou a linha temporal para seguir em frente com a história da franquia. A reviravolta envolvendo John Connor se parece muito com aquela que haviam mencionado que iria ser o final de TS mas acabou não sendo; é algo bem semelhante a aquilo! Eu não vou falar aqui o que é pra não estragar a surpresa, mas olha, foi uma virada interessante, no mínimo! A Skynet ficou bastante sorrateira, e o título do filme aqui tem muito a ver com essa reviravolta.

O filme parece ignorar todos os eventos de T3 e TS, no entanto. A esposa de John Connor desses dois filmes sumiu, não está sequer a vista! Que ótimo! Uma personagem descartável a menos. Se você ainda quiser, pode até assistir os filmes de James Cameron e pular diretamente para Genisys que não vai fazer diferença. De repente T3 e TS até aconteceram aqui, mas como houve um reboot parcial, não há com o que se preocupar!

Claro, essa ideia de reboot me irrita, e muito! Mas aqui o que Cameron fez é tratado com o devido respeito. O que aconteceu em T1 e T2 não aconteceu nesta nova realidade, mas nem por isso esses eventos foram esquecidos. Há uma cena em que a Sarah Connor conta, nesta nova realidade mesmo, o que aconteceu da primeira vez com Kyle Reese, ou seja, os personagens se lembram do passado que não aconteceu, mas tem que conviver com a nova realidade. E essa nova realidade é em muito decorrente do T-800 velho. Ele foi mandado para os anos 70 com o intuito de proteger a Sarah Connor criança e passou a ser o "pops" da menina. Eu juro que só não consegui engolir ainda a explicação meia-boca que o filme deu para a aparência velha do T-800, mas OK, eu posso fazer vista grossa para isso.

Aliás, bem vinda a nova frase de efeito do T-800: "bite me!" (algo como "dane-se"). OK, não é algo tão badass como "fuck you, asshole!" ou algo tão maneiro como "I'll be back", ou "hasta la vista, baby!", mas com toda certeza, não é ridículo como "talk to the hand!" do T3! Aquilo foi de dar vergonha! "Bite me" está bom, para um personagem que vem aí atravessando as décadas e ainda causa impacto em todos. E olhem só: a explicação da velhice do robô de Arnie e o final de Genisys acaba dando ao ex-fisioculturista carta branca para interpretar o robô até ele morrer se quiser, nos dando a garantia que nunca haverá outro T-800 na série, ou pelo menos não outro tão importante quanto o Arnold. Realmente o cara sequestrou esse papel para si! Menção especial também às músicas dos Ramones que tocam no filme. Legal isso, mas fiquei chateado de não ter Guns! Já que era para homenagear, queria Guns pelo menos em algum momento do filme, oras!

Quanto aos atores novos interpretando papéis clássicos, o único problema do elenco aqui ficou sendo mesmo o Jai Courtney. Pela madrugada, que atorzinho ruim, robótico, sem emoção, vazio de expressão! Hora que o cara disse no filme "somos seres humanos", eu virei pra minha esposa e disse "você eu não sei, mas eu sim!". Puta que pariu, olhem, o Kyle Reese, um personagem tão fodão e legal do primeiro filme merecia um ator melhor que esse cara! Estragou muito do trabalho fantástico do Michael Biehn no filme original. Nossa, o Anthon Yelchin em TS é mais Kyle Reese que esse Courtney aí! Péssima escolha de elenco, sinceramente!

De resto, estava tudo OK. Eu confesso que quase não consigo reconhecer a Khaleesi de Game of Thrones, Emilia Clarke, pelo excesso de roupa que ela estava vestindo no filme (OK, modo engraçadinho desativado!) mas ela se mostrou uma boa Sarah Connor, a princípio a gente fala, "iiihh, vai ser outra Lena Headey" (de Sarah Connor Chronicles), mas ela se saiu bem, atuou legal; porém, esse papel ainda pertence à imbatível Linda Hamilton, ela para mim é a única Sarah Connor que pode existir!

O John Connor de Jason Clarke aqui também estava muito bom, bem mais crível do que o de Christian Bale, com toda certeza! Ah sim, e ao final do filme, nos créditos teve o incrível tema integral de Brad Fiedel, versão T2, que não tocava já há dois filmes!! Cara, como eu adorei ouvir aquele tema de novo!! Cantarolei junto, nota por nota! Que tema incrível!

Mas, como nem tudo são flores, o filme dá seus tropeços. Há uma cena constrangedora em que Sarah, Kyle e o T-800 estão na prisão e começa a tocar o tema de Cops sem razão nenhuma... puts, quando eu vi aquilo eu falei, "ih, agora fodeu, parem o filme, agora danou-se tudo"! Mas foi só um lapso mental e depressa voltaram ao clima anterior do filme. Tive a vaga impressão de estar vendo T3, que medo! A trama inicia bem, vai até o meio do segundo ato legal, depois se descompassa e tem hora que fica com cara de TS, convoluta, mas no fim das contas se resolve bem. Mas a cena após o iniciar dos créditos, bem ao estilo Marvel Studios nos dá a clara certeza de que não é o fim, galera, e que outro filme vem por aí para fazerem mais dinheiro! Fiquemos no aguardo então.

E espero mesmo que venha, até porque os direitos da franquia voltam para Cameron (graças a Deus) em 2018, mas faço um apelo aqui aos envolvidos: por favor, por obséquio, por favorzinho com uma cereja em cima... PAREM DE MUDAR O ELENCO A CADA FILME! Enche o saco você ver o T-800 com a mesma cara mas o resto dos personagens parecendo que fizeram cirurgia plástica! Enfim, é isso gente. Filme bacana, divertido, bom. Novamente: é bem falho e não chega aos pés dos filmes do Cameron, mas vale o ingresso!

Terminator Genisys (2015)
Título em português BR: O Exterminador do Futuro: Gênesis
Nota: 6,5 / 10

Direção: Alan Taylor
Produção: Bill Carraro, David Ellison, Megan Ellison, Dana Goldberg, Laeta Kalogridis, Patrick Lussier, Paul Schwake
Roteiro: Laeta Kalogridis, Patrick Lussier (baseado em personagens de James Cameron e Gale Anne Hurd)
Trilha sonora: Lorne Balfe (com tema de Brad Fiedel)

Estrelando: Emilia Clarke, J.K. Simmons, Jai Courtney, Arnold Schwarzenegger, Matt Smith, Sandrine Holt, Jason Clarke, Douglas Smith, Byung-hun Lee, Courtney B. Vance, Aaron V. Williamson, Gregory Alan Williams, Dayo Okeniyi, Griff Furst, Nolan Gross, Bryant Prince

Outros filmes desta cinessérie:
- Terminator Genisys (O Exterminador do Futuro: Gênesis) (2015)
Terminator Salvation (O Exterminador do Futuro: A Salvação) (2009)
Terminator 3: Rise of the Machines (O Exterminador do Futuro 3: A Rebelião das Máquinas) (2003)
Terminator 2: Judgment Day (O Exterminador do Futuro 2: O Julgamento Final) (1991)
The Terminator (O Exterminador do Futuro) (1984)

Trailer:

No comments:

Post a Comment