Sunday, April 30, 2017

NO CINEMA: Life (Vida)

Nota: 9 / 10

Nos primeiros minutos de filme, parecia algo nos moldes de 2001: A Space Odyssey, até a trilha sonora meio que te levava a pensar assim. Até os cinco minutos finais, você pensa "ah, remake de Alien, do Riddley Scott, nada de novo sob o sol". Mas aí... aí... puxa vida! Caramba, eu não posso dar spoilers sobre o final, que saco!

Olha, eu fui com uma cabeça assistir a esse filme, e voltei com outra. Aliás, se for parar pra pensar... ele meio que evoca uma ideia, puxando para a filosofia, de que os americanos podem estar um pouco receosos em relação ao futuro.

Enfim, Life me surpreendeu; eu não imaginava que uma trama espacial pudesse me surpreender de alguma forma a essa altura, mas essa realmente, como se diz em inglês, puxou o envelope nos minutos finais.

Todos aqui estão familiarizados com tramas de terror espacial, certo? Sempre rola uma carnificina e uns clichês em toda trama como esta, não é mesmo? Certo, então vamos à trama: você tem exploradores e cientistas espaciais de várias nacionalidades, você tem dois americanos, que são o Donnie Darko e o Deadpool... desculpem, hehe, Jake Gyllenhaal e Ryan Reynolds; então, eu já não consigo mais desligar as imagens dos atores a esses filmes! O filme tem até mesmo os roteiristas de Deadpool, aí meu caro, fica difícil! Bom, tem também um cara do Japão que vai ser pai, uma mulher e um negão da Inglaterra e uma russa, ou seja, temos um grupo bem diferente aqui na narrativa, trabalhando como uma equipe.

Eles estão no espaço para identificar formas espaciais de vida, e no resgate de um satélite que se soltou em uma missão, feito pelo Deadpool, eles acham um pequeno organismo alienígena lá. O Donnie Darko é o que está a mais tempo no espaço, cerca de 420 dias, não pretendendo voltar à Terra tão cedo.

Após acharem esse organismo, o serumaninho aqui embaixo fica sabendo da notícia e até inventam um nome pra ele, chamando a coisinha linda de Calvin. Fofo, não? Acontece, amigo, que o Calvin tem um tremendo apetite, e quanto mais ele come e absorve energia, mais ele cresce. Fórmula padrão de filmes de invasão alienígena, vemos que chega um ponto que o Calvin começa a ficar fortinho, esperto, começa a querer independência... começa a demarcar território. Oh-ou! Aí a coisa começa a degringolar; a partir daí, meu caro, se você já viu Alien, você sabe o que vai acontecer. Começa a carnificina. Pouco a pouco, o alienígena escapa e começa a atacar a tripulação e matar um a um dos tripulantes. A primeira vítima é o Deadpool, o que é irônico, considerando que são os roteiristas de Deadpool que escrevem a trama. A segunda vítima é a russa, e a terceira é o negão (protocolo de filme de terror, o negro sempre morre nesses filmes!), e assim vai.

Como eu disse antes, tudo igual Alien até os cinco minutos finais, os sobreviventes da matança tentam ser mais espertos que o invasor, e acabarem com o organismo; uma vez que este invasor, segundo os relatos da missão, dizimou o planeta Marte, ou seja, seria um perigo sem precedentes se ele chegasse à Terra.

Só que a EXCELENTE reviravolta final do filme te engana! Lembrem-se que filme é ilusão! Um truque de câmera bem executado pode te levar à mais completa e inusitada mudança de eventos, e alterar absolutamente tudo. Quando você pensa que tudo acabou, acontece algo, e faz com que a trama tenha consequências mais catastróficas ainda para todos. Olha, eu vou fazer uma parte da resenha com spoilers, não dá pra segurar, ok? Vou marcar o parágrafo abaixo como spoiler zone, e você lê se quiser, senão pula para o parágrafo depois dele!

-------- INÍCIO DE SPOILERS --------
Pois bem, sobrevivem os personagens de Jake Gyllenhaal e Rebecca Ferguson; o primeiro diz que não estava afim de "voltar para junto dos 8 bilhões de cuzões" aqui embaixo, e estava disposto a dar a própria vida para salvar a mulher. Fica decidido então que ele vai atrair o alienígena para o seu módulo espacial, que vai desviar da rota da Terra e ela vai em outro módulo espacial, este que vai em direção à Terra. De acordo com a excelente câmera do filme, vemos as duas naves fazendo seus trajetos, e fica muito claro para nós, de acordo com a fotografia, que quem está retornando à Terra é a moça. O módulo cai no meio do oceano, onde vemos pescadores japoneses. Quando eles olham para a janela da nave, o que vemos no entanto é um aterrorizado Gyllenhaal encurralado pelo alienígena repetindo "não, não, não!" como quem diz não abram a porta do módulo! Ao mesmo tempo vemos, no espaço a astronauta, desesperada repetindo "não, não não!", e se distanciando cada vez mais da Terra, e o filme escurece... fim de projeção! A humanidade está a mercê da criatura espacial! Esta era uma piada recorrente de produção de filmes até poucos anos, toda vez que alguém via um final minimamente feliz, uma resolução positiva, na hora pensava-se "pô, e se fosse o alienígena que tivesse retornado?"
-------- FIM DE SPOILERS --------

Este final, esta reviravolta, eu achei fantástica! Não só quebrou completamente com o clichê que todos esperavam que acontecesse antes de levantarem das poltronas, mas também, pelo menos pra mim, demonstrou, como eu citei lá no cabeçalho, uma certa crítica em relação a sensação de insegurança com o futuro que o mundo certamente está vivendo. Ao meu ver, basta pensarmos que parte da tripulação da nave representa certas porções do globo, e o alien, aquele imigrante indesejado, que no começo era tratado com amor e atenção por todos, mas depois de um certo tempo acabou se tornando um estorvo e uma ameaça capaz de dizimar a todos. Pensem um pouco sobre isso!

Em resumo, um filme que, apesar de parecer mais do mesmo por um certo tempo, te surpreende positivamente e te causa um impacto bacana, te tirando da zona de conforto com um choque elétrico de 1000 volts na cabeça! O elenco reduzido e o formato independente de produção também contribuiram de forma positiva para este resultado. Eu gostei muito da reviravolta, e fiquei até mesmo curioso se ela terá repercussões futuras. Enfim, vá aos cinemas agora, não perca este filme. Pode parecer lugar comum no começo, mas confie em mim, vai te levar a galáxias que você talvez possa ter medo no passado, e nunca pensou em visitar.

Life (2017)
Título em português BR: Vida

Direção: Daniel Espinosa
Produção: Bonnie Curtis, David Ellison, Dana Goldberg, Julie Lynn
Roteiro: Rhett Reese, Paul Wernick
Trilha sonora: Jon Ekstrand

Estrelando: Ryan Reynolds, Jake Gyllenhaal, Hiroyuki Sanada, Rebecca Ferguson, Olga Dihovichnaya, Ariyon Bakare, Jesus Del Orden, Allen McLean, Leila Grace Bostwick-Riddell, Mari Gvelesiani, David Muir, Elizabeth Vargas, Camiel Warren-Taylor, Haruka Kuroda, Naoko Mori, Alexandre Nguyen, Hiu Woong-Sin

Trailer:

2 comments:

  1. Oi, Ricardo!
    Assisti ao filme sem muitas expectativas, mas confesso que nas cenas finais, tive a sensação do que estava para vir. Não fui surpreendida. Achei divertido a tripulação receber "Calvin" como se fosse um filhote de labrador e a humanidade fazer festa. Será que ninguém desse mundo do filme viu filmes de ficção como invasores de corpos ou guerra dos mundos? pelo visto não.
    Acho que fiquei exigente depois de assistir "Viagem à lua de Júpiter"(Europa Report) e me deparei com um final surpreendente de uma ficção bem contada.
    Acho que a sensação que tive foi que vi algo parecido do filme Prometheus... Nota 7.
    Daniela Lopes

    ReplyDelete
    Replies
    1. Obrigado por compartilhar, Daniela! E obrigado pela sua dica aí no comentário. Vou procurar a respeito desse Europa Report, porque eu sinceramente não vi.

      Delete