Monday, August 10, 2015

FILME: Star Wars (Guerra nas Estrelas)

A  L O N G  T I M E  A G O ,
I N  A  G A L A X Y  F A R ,  F A R  A W A Y ...






Pois é... chegou a hora dela! Estamos há alguns meses da grande estreia de Star Wars: The Force Awakens. Vamos então recapitular os três grandes clássicos cinematográficos que fizeram e ainda fazem parte do imaginário popular de todo e qualquer ser humano neste planeta.

Aqui eu irei falar dos filmes clássicos, ou seja, dos filmes originais, aqueles que estrearam em 1977, 1980 e 1982 nos cinemas em toda parte do mundo. Sem cortes, sem ajustes, sem edições ou alterações! Toda a ópera espacial magnificamente conduzida por cineastas criativos e competentes, e que levou milhões de pessoas ao redor do mundo a sonharem.

Quando eu era moleque, estes filmes passavam na TV e a gente simplesmente pirava. Haviam duas trilogias grandes que fizeram parte da fundação da cultura nerd, esta e Back to the Future. Meu primeiro contato foi com a segunda.

Mas nem por isso eu deixava de amar menos a saga dos Jedis. Verdade que os dois filmes que eu mais via da trilogia quando moleque eram o segundo e o terceiro. Verdade que eu falava "Dark Veider", ao invés de Darth Vader! Verdade que eu não entendia todas as coisas que os filmes abordavam. Mas nem por isso eu deixava de amar estes filmes.

BACKGROUND HISTÓRICO


Pra começar, um pouco de background. O filme recebeu influências do seriado de Flash Gordon que passava à época na TV e de filmes de Akira Kurosawa, como o famoso 隠し砦の三悪人 (A Fortaleza Escondida) com o astro da época Toshiro Mifune. O roteiro escrito por George Lucas foi rejeitado por vários estúdios, como a Universal, a United Artists e, após muita insistência, foi aceito por Alan Ladd, da 20th Century Fox, que aceitou distribuir o filme.

Devido a inúmeras dificuldades da época, como as constantes mudanças de clima no deserto da Tunísia onde parte do filme foi rodado, além de equipamentos defeituosos e uma grande limitação de orçamentos, o filme demorou a sair. Um grande número de coisas foram mudadas em relação ao script original escrito por Lucas. A ideia do filme começou a se formar, de acordo com Lucas, em 1971, após o mesmo ter acabado de dirigir THX 1138, um filme de ficção-científica inspirado em clássicos como Fahrenheit 451. Na época, o que Lucas queria era na verdade fazer um filme do Flash Gordon, mas como não conseguiu os direitos para isso, pensou em uma ideia diferente para abordar.

Vendo que ele iria precisar de muitos efeitos práticos para criar as criaturas e efeitos que o filme necessitava, Lucas fundou a hoje famosíssima e popular Industrial Light & Magic, empresa de efeitos especiais que hoje trabalha na grande maioria dos efeitos especiais dos filmes hollywoodianos.

Sendo assim, o filme, após todos estes contratempos, foi lançado em Maio de 1977 nos cinemas americanos e no Brasil em Novembro do mesmo ano. Ganhou inúmeras críticas positivas e foi considerado um novo clássico! Nada mal para um filme que teve uma produção turbulenta e um orçamento reduzidíssimo, aliás, em uma opinião pessoal, esta é uma das razões pela qual o filme é tão bom. Devido à falta de tecnologia e de recursos, os cineastas tinham que se virar e serem criativos o bastante para inventarem soluções que fossem satisfatórias para se contar a história que queriam.

Hoje em dia é muito fácil, não? Com o toque de um Photoshop da vida, você pode simplesmente pegar uma imagem e fazer um personagem atirar primeiro; ou então substituir a imagem de um bom ator, por outro com cara de peixe morto a seu bel prazer, não? Em outras palavras, é muito simples fazer filmes hoje, mas ao mesmo tempo é muito mais simples fazer coisas ruins, devido à falta de desafios dos efeitos práticos. Veja por exemplo Jupiter Ascending, que é simplesmente uma droga. Claro, há exceções, há empresas como a Pixar Animation que ainda sabem utilizar a tecnologia a seu favor para contar excelentes histórias. Mas essa é outra conversa. Vamos falar da trama do filme.

TRAMA


O filme abre com o conhecido letreiro da saga e uma perseguição de naves interplanetárias. Esta perseguição já nos resume, em poucas tomadas, o intuito da saga, ou seja, a luta do bem contra o mal, luz e escuridão. As referências literárias e cinematográficas aqui saltam aos olhos, vamos falar sobre elas daqui a pouco. Temos dois androides a bordo da nave, C-3PO (Anthony Daniels) e o pequeno R2-D2 (Kenny Baker). Os dois dividem a compania de uma frota espacial e da princesa Leia (Carrie Fisher), que sabe de planos de construção de uma estação espacial chamada Estrela da Morte.

O período de guerra civil ao qual estes personagens se encontram faz com que o lorde Darth Vader (David Prowse - físico / James Earl Jones - voz), um lorde maligno do comando dos Sith, se encarregue de sequestrar a nave e capturar Leia, que consegue, por um instante, passar uma mensagem holográfica ao androide R2-D2 antes de sua captura. Os dois androides conseguem escapar e se dirigem para o deserto do planeta de Tatooine, onde são novamente capturados por comerciantes da raça Jawa, uma raça local de habitantes do planeta, e acabam sendo negociados para o fazendeiro Owen (Phil Brown) e sua mulher Beru (Shelagh Fraser), que cuidam de um jovem chamado Luke Skywalker (Mark Hamill).

Os dois são tios de Luke, e o garoto acaba descobrindo a mensagem holográfica de Leia após consertar R2, o que o faz se questionar em relação à aventura que terá pela frente. Ele havia escutado o nome Obi-Wan Kenobi (Alec Guinness), e se lembra que nas redondezas havia um velho ermitão ao qual conhecia por Ben Kenobi. Conseguindo encontrar o velho Ben, o senhor revela a Luke, que foi um guerreiro Jedi durante uma guerra antiga e que era muito próximo do pai de Luke. Neste ponto, vemos pela primeira vez, o sabre de luz. Também ficamos sabendo de uma poderosa energia existente no universo e presente em muitos seres viventes e que une todo o universo, chamada de "A Força".

É então que Luke, Ben e os robôs partem para sua jornada à Alderaan, para que Luke se torne um guerreiro Jedi e descubra os caminhos que levam à Força, momentos depois de Luke descobrir que soldados stormtroppers destruíram toda sua aldeia e sua gente. Antes de partirem, eles vão à cantina de Mos Eisley, onde conhecem Han Solo (Harrison Ford) e Chewbacca (Peter Mayhew), dois caçadores de recompensa. Ben e Luke pedem carona para Alderaan em troca de dinheiro. Como Han está endividado com um certo Jabba, ele vê a chance de sair na sorte e pagar suas dívidas; só que um certo alienígena bicudo chamado Greedo (Paul Blake e Maria De Aragon - físico / Larry Ward - voz) tenta matá-lo. Aqui é que ocorre uma das melhores apresentações de personagem já feitas!

Han tenta levar Greedo na conversa. Então, sem o verdinho antenoso perceber, ele saca uma arma por baixo da mesa, e antes que Greedo demonstre reação, é morto por Han Solo! Assim, num piscar de olhos! Depois ele simplesmente sai pela porta, dá uma gorjeta ao garçom e diz "desculpe pela bagunça". Eu simplesmente adoro esta cena! E acabou se tornando uma das cenas mais célebres deste filme. Tão célebre que os fãs da trilogia nunca admitiram a explicação de um certo senhor, anos à frente, com a possibilidade debiloide de o verdinho ter atirado primeiro! Imagina só? Impossível! Não é como se alguém fosse pegar seu Photoshop anos à frente, com uma imagem de arquivo e fazer uma montagem escrota de Greedo atirando primeiro, Han desviando do tiro à curta distância e depois atirando para matar... oras... impossível... isso faria Han Solo parecer um idiota, e ninguém, em sã consciência, faria isso... ou faria? Enfim...

LIDEM COM ISSO!

Após toda a confusão, nossa gangue de heróis parte à bordo da Millenium Falcon, a nave de Han solo, e chegando ao lugar de destino, eles descobrem que tudo já havia sido destruído. Eles então são capturados por um raio de tração e trazidos para o hangar da Estrela da Morte. Ben tenta desabilitar as seguranças da estação e é abordado por Darth Vader, enquanto Han e Luke resgatam a princesa Leia, que estava prisioneira no lugar. Ben acaba lutando e morrendo nas mãos de Vader enquanto nossos heróis, após várias enrascadas, conseguem escapar da Estrela da Morte e voltar à base dos rebeldes para lançar uma ofensiva contra o império de Vader.

Na ofensiva, eles tem várias baixas, mas Han Solo retorna para ajudar e Luke acaba descobrindo suas habilidades com a Força, em um intenso combate aéreo, sequência que mostra uma das mais icônicas fotografias do filme e uma frase de Vader que também ficou famosa, "a Força é poderosa com este daí", se referindo a Luke. A ofensiva tem sucesso, o que faz com que o exército de Vader recue e Luke e Han serem condecorados pela princesa Leia como heróis da resistência dos rebeldes. Rolam os créditos.

A primeira aventura de Luke Skywalker e sua turma termina nos deixando estarrecidos com os excelentes efeitos práticos, os personagens carismáticos, a trama bacana e que viria a ser melhor trabalhada e expandida nas duas futuras sequências e os elementos interessantes que criou, e que nos cativam até nos dias de hoje. Dizer frases do filme virou um fetiche para qualquer cineasta ou até mesmo fãs da trilogia. Neste primeiro filme, temos muitas delas:

Vader: Eu acho a sua falta de fé... perturbadora!
Luke: Eu tenho um mal pressentimento sobre isto! (esta acabou virando uma frase de efeito em todos os filmes da saga)

E é claro, não podemos esquecer a célebre e icônica:

General Dodonna: QUE A FORÇA ESTEJA COM VOCÊ!

Esta última simplesmente virou o cartão postal da saga, se tornando uma das expressões mais célebres e icônicas do mundo. Tão célebre, que até mesmo quem nunca assistiu Star Wars na vida a conhece. Além disso, ela é repetida à exaustão em todo e qualquer filme, livro, música, e zilhões de outras coisas, dramas, paródias, comédias, enfim, dizer "may the Force be with you" se tornou cult. Assim como a trilogia.

Por fim, a frase que abre todo e qualquer filme da saga: HÁ MUITO TEMPO ATRÁS, EM UMA GALÁXIA MUITO, MUITO DISTANTE...

Esta frase, por si só, já dá à série de filmes, um caráter atemporal, pois se trata de uma história que aconteceu há muito tempo atrás, sem especificar data, provavelmente muito além de nosso próprio tempo e espaço. Os personagens, dessa forma podem ser cultuados e referidos em qualquer época que estivermos.

Há ainda uma frase do filme que eu acho muito legal e gosto sempre de manter ela na memória. É em um certo momento em que Luke, Han e Ben estão adentrando a Estrela da Morte e Han menciona que só um idiota para tentar uma invasão à uma fortaleza tão bem protegida, ao que Ben responde: quem é o mais idiota? O idiota, ou o idiota que segue o idiota? FANTÁSTICO! Eu adoro o efeito moral que essa frase causa, a estrutura bem pensada dela, enfim, ela não é tão conhecida ou lembrada quanto outras frases famosas do filme, mas certamente é uma das minhas favoritas!

REFERÊNCIAS E LEGADO


O filme, como falei anteriormente, trouxe várias referências literárias e cinematográficas para sua mitologia.

Entre as referências literárias, está a lenda de Beowulf, da literatura inglesa e nórdica, e as histórias do Rei Arthur e seus Cavaleiros da Távola Redonda.

Entre as do cinema, está a mitologia de Flash Gordon, como já vimos, os filmes de samurais de Akira Kurosawa como 七人の侍 (Os Sete Samurais), 用心棒 (Yojimbo, O Guarda-Costas) e outros que acabaram inspirando as lutas de sabres em Star Wars; filmes de faroeste americanos clássicos também acabaram inspirando muitas tomadas de deserto do filme, assim como filmes alemães como a obra-prima Metropolis do diretor Fritz Lang, cujo robô do filme inspirou o design de C-3PO, e não podemos esquecer da obra-prima de Stanley Kubrick, 2001: A Space Odissey, que inspirou as tomadas espaciais no filme.

Portanto, muito antes de Quentin Tarantino, havia George Lucas, pegando aqui inúmeras referências para suas ideias e colocando elas em um liquidificador para funcionarem juntas em uma história cativante, emocionante e muito, mas muito divertida. Tudo embalado em uma trilha sonora que é lembrada e cultuada até os dias de hoje. A música tema de John Williams virou patrimônio da cultura nerd, e qualquer pessoa em qualquer parte do mundo, jovem ou adulta, sabe assobiá-la de cabeça.

Por fim, uma especulação de minha parte, mas que não é absurda de forma alguma. O próprio escritor inglês William Shakespeare pode ter, direta ou indiretamente, inspirado a própria história destes filmes. É só percebermos o quanto o próprio gênio, em sua própria época, usava de características sobrenaturais, fantasiosas e fantásticas para compôr suas próprias histórias, podem ver aí contos célebres como Hamlet, Macbeth, A Tempestade e inúmeras outras coisas. Star Wars tem todos estes elementos e uma estrutura operística que cabe perfeitamente em uma trama de Shakespeare. Inclusive, recentemente, saiu um livro muito interessante, que se trata de uma releitura do filme na forma de uma peça, como se tivesse sido escrito pelo próprio Shakespeare. Eu consigo visualizar perfeitamente Shakespeare criado uma história como Star Wars, não é nada difícil, basta ter imaginação!

O sucesso foi garantido e as continuações foram inevitáveis. Não só as continuações, mas também as paródias, referências, derivados da franquia, e muitas outras coisas que ainda são feitas hoje em dia e continuarão sendo feitas no futuro para manter acesa a chama desta que é, e sempre será, uma das maiores jornadas de herói já concebidas na história do cinema.

O filme não estava programado para receber sequências, mas todos concordamos que elas eram inevitáveis, visto o sucesso do primeiro filme, certo? E tão logo, elas vieram. Mas falaremos sobre isso na próxima vez.

Para terminar, só como um lembretezinho, gostaria de deixar aqui uma frase que George Lucas proferiu, há muito tempo atrás, em uma década muito, muito distante. Ele disse o seguinte: "pessoas que alteram ou destroem obras de arte e nossa cultura por ganho ou como um exercício de poder são BÁRBAROS". Claro, "bárbaros" aqui no sentido de serem tolos selvagens e sem alma.

Por que eu estou fazendo esta referência a tal frase que este senhor proferiu em 1988, caro leitor? Ah, por nada... só para o caso de você se deparar por aí com algum velho bárbaro que resolveu alterar e destruir seu próprio trabalho artístico por lucro ou exercício de poder. Nada demais.

Enfim, eu vou ficando por aqui, por enquanto e espero que você se junte a mim novamente na próxima vez que falarmos de Star Wars, OK?

Até lá! QUE A FORÇA ESTEJA COM VOCÊS!

Star Wars (1977)
Título em português BR: Guerra nas Estrelas
Nota: 9 / 10

Direção: George Lucas
Produção: Gary Kurtz, George Lucas
Roteiro: George Lucas
Trilha Sonora: John Williams

Estrelando: Mark Hamill, Harrison Ford, Carrie Fisher, Peter Cushing, Alec Guinness, Anthony Daniels, Kenny Baker, Peter Mayhew, David Prowse, James Earl Jones, Phil Brown, Shelagh Fraser, Alex McCrindle, Paul Blake, Maria De Aragon, Larry Ward

Outros filmes desta cinessérie:

Novos prelúdios e derivados:
Rogue One: A Star Wars Story (Rogue One: Uma História Star Wars) (2016)

Novas sequências:
- The Last Jedi (Os Últimos Jedi) (2017)
The Force Awakens (O Despertar da Força) (2015)

Prelúdios:
- Episode III - Revenge of the Sith (Episódio III - A Vingança dos Sith) (2005)
- Episode II - Attack of the Clones (Episódio II - O Ataque dos Clones) (2002)
- Episode I - The Phantom Menace (Episódio I - A Ameaça Fantasma) (1999)

Trilogia clássica:
- Return of the Jedi (O Retorno do Jedi) (1983)
The Empire Strike Back (O Império Contra-Ataca) (1980)
Star Wars (Guerra nas Estrelas) (1977)

Trailer:

1 comment:

  1. ''só para o caso de você se deparar por aí com algum velho bárbaro que resolveu alterar e destruir seu próprio trabalho artístico por lucro ou exercício de poder. Nada demais.''

    hehehe

    ReplyDelete