Thursday, November 4, 2004

CD: Snow - Spock's Beard

Quando me deparei pela primeira vez com Snow, o sexto álbum de estúdio do Spock's Beard, fiquei me fazendo a seguinte pergunta: qualquer semelhança com o antológico disco do Genesis de 1974 ou mesmo com a história dos dois grupos é ou não é mera coincidência? Sim, esta obra belíssima da banda é fortemente inspirada em The Lamb Lies Down on Broadway um dos mais célebres discos do Genesis, e assim como ele, também tem um personagem que terá duros desafios psicológicos durante sua jornada.

A história da obra trata de Snow, um jovem menino albino que foi abençoado com dotes especiais e encontra corrupção e podridão onde vive, e finalmente se torna uma espécie de messias e encontra redenção pessoal, encontrando-se até mesmo com sua própria morte no final do disco, fato que é desencadeado pela angústia que passa a personagem após ser tratado com indiferença pelas pessoas que o cercam e mesmo ser tachado de anormal por possuir seus dons, em meio a uma sociedade suja e cheia de estereótipos. Meio parecido com obras conceituais como Tommy do The Who, ou The Lamb do Genesis? Talvez, pois, a inspiração desta obra vem exatamente desses discos do Rock Progressivo setentista, só que por outro lado, temos o bandleader Neal Morse, em um período muito turbulento de sua vida, e esta turbulência irá influenciar nas experiências do personagem do disco.

Seria até pretensão minha querer analisar faixa-à-faixa esta grande obra-prima da banda. Principalmente porque, se eu o fizesse, iria resultar em uma resenha gigantesca e cansativa. Então farei breves comentários em alguns setores para instigar sua curiosidade. O disco abre com uma sessão instrumental impecável, incrivelmente inspirada e fantástica, com toda força e ambição que o Beard vem ostentando ao longo de seus anos, explodindo em uma grande abertura! As faixas a seguir ilustram muito bem o quanto Neal estava sintonizado com suas influências quando compôs coisas como "Stranger In A Strange Land", "Long Time Suffering" ou o blues-rock "Welcome To NYC". Detacam-se ainda com louvor as faixas "Open Wide The Flood Gates" e "Open The Gates Part. 2" e a inspiradíssima faixa de fechamento do disco 1, "Wind At My Back". Aqui, percebe-se nitidamente por onde a vida de Neal estava caminhando, evento que o fez mais tarde a abandonar a banda.

Como sempre, as influências da banda variam desde os tradicionais coros a lá Yes, e claro, o Genesis setentista, além de ter passagens que lembram levemente bandas como o King Crimson e Emerson, Lake & Palmer. A história do personagem também é meio parecido com o drama existencial vivido por Rael em The Lamb e o garoto cego Tommy, do disco homônimo do The Who.

Eu me recordo de estar totalmente atônito ao ver tamanha qualidade musical, isto somente após a audição do primeiro disco do álbum. Ainda restava o segundo, que nos guarda outras boas surpresas.

No segundo disco já nos deparamos com composições que repetem a fórmula do primeiro disco, porém soando bem mais fortes, revelando-se o ápice da história. A faixa de abertura "Second Overture" é simplesmente fenomenal, e lembra bastante "Heart Of The Sunrise" do Yes. Ela desemboca na incrível "4th Of July", e dá seqüência a uma das músicas mais legais que o Beard já fez, "I'm The Guy". Em "Carie" e "Looking For Answers", Nick tem suas primeiras performances vocais solo em frente à banda, e se sai extremamente bem, com maior destaque para a segunda.

A partir de "Freak Boy", inicia-se uma frenesi progressiva sensacional, que vai até à conclusão do disco, com destaque para a já citada, "I'm Dying" (onde Snow vê sua própria morte, como na peça do Genesis), "Devil's Got My Throat Reprise", em que Neal canta com mais energia e agressividade do que na original, se superando mais uma vez, "Snow's Night Out" que tem uma orquestração impecável e deliciosa, "Ladies And Gentlemen: Mister Ryo Okumoto on the Keyboards", onde Ryo tem acessos de Keith Emerson e destrói seu teclado em solos matadores e muito bem encaixados, e finalmente, o fechamento, "Made Alive Again / Wind at My Back", uma reprise de ambas as faixas simplesmente de derramar lágrimas de tão maravilhosa!

E para a edição de luxo do disco, ainda têm-se um terceiro disco como bônus, em que a banda guarda coisas como a cover do Yes "Southside Of The Sky", do disco Fragile, demos de várias das faixas presentes no disco, incluindo uma de "The Good Don't Last" de seu terceiro disco, The Kindness Of Strangers. Tem inclusive, versões acústicas de "Looking For Answers", que ficou belíssima nesse formato, e de "The Light" do disco de estréia da banda, que também ficou ótima. Disco opcional para quem optar pela edição luxuosa, o álbum mesmo termina no segundo disco.

Este, infelizmente viria a ser o último disco da banda com Neal Morse, um dos mais prolíficos e geniais artistas progressivos da atualidade, e muito mais tristeza temos em decorrência do fato de que jamais houve uma turnê do disco, dada a saída do músico. Por isso, vale a pena conferir este último trabalho da banda com a formação pioneira. Me recordo da tristeza que foi ler no site oficial do grupo sobre a saída de Neal, que havia acabado de se converter ao cristianismo e passaria, a partir de agora a fazer álbuns solo de Progressivo Cristão, contando com a mesma qualidade musical, vale a pena conferir sua carreira solo, independente de religião.

E embora Neal Morse nunca tenha de fato abandonado o Spock's Beard, sua ausência deixa um buraco na banda difícil de ser preenchido por outra pessoa, por mais talentosa que seja. São as encruzilhadas da vida. Talvez muito semelhantes à que o garoto albino da maravilhosa ilustração da capa do álbum se depara.

Snow (2002)
(Spock's Beard)
Nota: 9,5 / 10

Tracklist:
Disco 1:
01. Made Alive / Overture
02. Stranger in a Strange Land
03. Long Time Suffering
04. Welcome to NYC
05. Love Beyond Words
06. The 39th Street Blues (I'm Sick)
07. Devil's Got My Throat
08. Open Wide the Flood Gates
09. Open the Gates Part 2
10. Solitary Soul
11. Wind at My Back

Disco 2:
01. Second Overture
02. 4th of July
03. I'm the Guy
04. Reflection
05. Carie
06. Looking for Answers
07. Freak Boy
08. All Is Vanity
09. I'm Dying
10. Freak Boy Part 2
11. Devil's Got My Throat Revisited
12. Snow's Night Out
13. Ladies And Gentlemen, Mister Ryo Okumoto on the Keyboards
14. I Will Go
15. Made Alive / Wind at My Back

Disco 3 da Special Limited Edition do álbum:
01. South Side of the Sky (Yes)
02. The Good Don't Last / Open Wide the Flood Gates (live acoustic)
03. Working on 'Devil / Fiddly / Disco'
04. Looking for Answers (live acoustic)
05. Stranger in a Strange Land (demo)
06. 4 O'Clock
07. Working on Ryo's Solo
08. Lost Bass Solo
09. The Light (live acoustic)
10. Working on 'I Will Go'

Selo: InsideOut Music

Spock's Beard é:
Neal Morse: voz principal, piano, violão e sintetizador
Alan Morse: guitarra, cello e voz
Dave Meros: baixo, trompa e voz
Ryo Okumoto: órgão hammond, mellotron, jupiter 8, minimoog e vocoder
Nick D'Virgilio: bateria, percussão, voz e voz principal em "Carrie" e "Looking for Answers"

Discografia:
The First Twenty Years (2015) - compilação
The Oblivion Particle (2015)
Brief Nocturnes and Dreamless Sleep (2013)
- X (2010)
- Spock's Beard (2006)
- Octane (2005)
- Feel Euphoria (2003)
Don't Try This At Home & The Making Of V (2002) - DVD
- Snow (2002)
V (2000)
Day for Night (1999)
The Kindness of Strangers (1998)
Beware of Darkness (1996)
The Light (1995)

Site oficial: www.spocksbeard.com

No comments:

Post a Comment